Poupança: indicador em mínimos de Julho

Universidade Católica diz que expectativa de desemprego pode reduzir necessidade de poupança das famílias por motivo de precaução

A taxa de poupança das famílias desceu em Janeiro, fixando-se em 93,1 pontos - o mesmo valor que fixou em Julho do ano passado - face a 97,1 pontos em Dezembro, e «apontando para uma tendência descendente da poupança em percentagem do PIB», revela o Indicador de Poupança APFIPP/Universidade Católica. Esta é a terceira descida mensal consecutiva.

Segundo os autores do indicador, divulgado esta quarta-feira, este encontra-se actualmente «ligeiramente abaixo da sua média histórica».

O indicador chegou a atingir, em Outubro do ano passado, um máximo nos 102,9 pontos. Recorde-se que o valor de 100 neste indicador aponta para uma taxa de poupança equivalente a 8% do PIB, sendo que cada 12,5 pontos de indicador corresponde a cerca de 1% do PIB.

De acordo com APFIPP/Universidade Católica, «em Portugal, as expectativas de desemprego registadas no inquérito às famílias da Comissão Europeia e corrigidas da sazonalidade desceram ligeiramente em Janeiro, apesar de se manterem em níveis muito elevados», facto que «pode reduzir a necessidade de poupança das famílias por motivo de precaução».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 20:50 | comentar | favorito