Problemas causados por piercings e tatuagens aumentam em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (SPDV) alertou hoje para «o número crescente de complicações associadas» à execução de piercings e tatuagens e defendeu, por isso, uma «maior atenção» a esta matéria em Portugal.

O secretário-geral da SPDV, Manuel Sacramento Marques, reagiu desta forma a um estudo da DECO, segundo o qual Portugal não tem legislação sobre tatuagens e piercings, cabendo ao bom senso dos profissionais falar sobre os riscos, os cuidados e as contra-indicações para a saúde, uma prática que, segundo a associação, não é seguida no país.

A Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores fez 46 visitas, durante os meses de Fevereiro e Março, a 29 estabelecimentos que exercem a actividade de realização de tatuagens e/ou piercings nas áreas da Grande Lisboa e do Grande Porto para concluir que houve poucas melhoras desde o último estudo realizado em 2005.

«O estudo feito pela DECO revela falhas de legislação e informação no nosso país em relação à execução de piercings e tatuagens», afirma Manuel Sacramento Marques.

O especialista lembra que «é preocupação a nível europeu a definição de regras e cuidados em relação a actividades que podem interferir com a saúde humana, não executadas por profissionais de saúde».

«No nosso país a legislação é escassa ou ausente e o número crescente de complicações associadas a estas técnicas justifica uma maior atenção», afirma.

O especialista refere que «a maior parte dos doentes que recorrem a consulta de dermatologia na sequência de complicações, desconhece que nem sempre há solução possível ou eficaz e lamentam tardiamente a falta de informação».

A Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia «tem opinião concordante com as várias entidades de saúde a nível Europeu e deseja que haja uma definição e publicação de legislação reguladora que proteja melhor o cidadão».

fonte:Lusa/SOL

publicado por adm às 08:28 | favorito
tags: