Zon lança serviço de prescrição electrónica de medicamentos

Plataforma digital ORKOS permite que os médicos passem receitas via electrónica, sistema obrigatório a partir de 1 de Agosto.

A Zon Multimédia está a apostar no mercado empresarial com base no ‘cloud computing' e lançou uma plataforma digital que permite que os médicos passem as suas receitas electronicamente. Até porque, a partir de 1 de Agosto será obrigatória a Prescrição Electrónica de Medicamentos (PEM) para remédios comparticipados.

"O ORKOS é a primeira aplicação que a Zon está a lançar dentro da filosofia do ‘cloud computing' e do SaaS ('software as a service')", explica Hugo Enes, da Zon Multimédia, acrescentando que esta proposta é totalmente integrada com a base de dados do Infarmed, enviando automaticamente as receitas para a Base de Dados Nacional de Prescrições.

O mercado de PEM tem um custo de 2,5 milhões de euros por ano. "A fraude representa cerca de 40% dos custos com medicamentos, segundo estudos feitos", especifica António Miguel, responsável da Leverage, responsável pelo ‘software' e uma das empresas parceiras no projecto. O objectivo da prescrição electrónica é precisamente reduzir esse encargo para o Estado. "A PEM abre caminho para um novo paradigma. Este é o primeiro passo", adianta Hugo Enes.

A proposta da Zon - que está a reforçar a sua aposta em serviços de ‘cloud' direccionados às PME - permite que seja passada uma receita em qualquer computador, em menos de três minutos, incluindo a criação do utente. O projecto, em parceria com a Leverage e a InterHost, teve a ajuda de médicos no seu desenvolvimento, de forma a tornar o serviço simples e eficaz. "Por exemplo, a plataforma identifica, após a escolha de determinado medicamento, se existe uma opção mais barata", explica Pedro Gouveia, responsável da InterHost. "E cada receita só pode ter quatro medicamentos. O médico pode prescrever todos os que quiser que o ‘software' identifica automaticamente quantas receitas vai gerar".

Até 30 de Setembro, a Zon está a disponibilizar um preço com desconto para os médicos pioneiros. "Os primeiros três meses são gratuitos e a subscrição é de 15 euros por mês. O médico, ou a instituição onde trabalha, tem de ser cliente Zon", esclarece Hugo Enes. A partir de 30 de Setembro, o preço agrava-se em 25%. A disponibilização da plataforma com estas condições é exclusiva via Zon Multimédia, mas a subscrição poderá ser feita directamente ao fornecedor do serviço, conclui António Miguel, da Leverage.

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 21:58 | comentar | favorito