27
Jul 14
27
Jul 14

Portugueses fazem férias mais baratas e cá dentro

Ano bom para o turismo nacional, 2013 afinal também foi ano de férias "cá dentro" para os portugueses. As dormidas na hotelaria só não aumentaram porque gastaram menos e ficaram menos noites fora de casa.

Apesar de a hotelaria ter registado menos dormidas dos portugueses, estes não viajaram menos em 2013, revelaram os dados divulgados, ontem, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Cerca de quatro milhões de portugueses efetuaram viagens (17,9 milhões de deslocações) em que dormiram pelo menos uma noite fora da sua localidade de residência, aumentando o número de viagens dentro de Portugal (+5,2% ou 16,4 milhões de viagens) e diminuindo o número de viagens para o estrangeiro (-2,6% ou 1,5 milhões de viagens). Na verdade, os residentes diminuíram as dormidas na hotelaria nacional (-0,5%), mas aumentaram as dormidas em "alojamento fornecido gratuitamente por familiares ou amigos", sendo que a região preferida foi o Centro (25,4%), seguida do Algarve (23,8%).

O orçamento para as deslocações também continuou a diminuir, sendo a despesa média diária por turista de 25,85euro (26,71euro em 2012) - correspondendo a 21,44euro nas viagens domésticas (21,91euro em 2012) e 46,03euro nas deslocações ao estrangeiro (49,58euro em 2012). A grande maioria das viagens para o estrangeiro por motivo de férias teve como destino a Espanha e, depois, a França.

É recíproco: os espanhóis continuam a ser o segundo mercado emissor de turistas estrangeiros para Portugal, pouco atrás dos britânicos, e com alguma vantagem sobre os alemães. De resto, em 2013, no top 10 dos emissores para Portugal, há a notar apenas a subida dos EUA, que ultrapassaram a Itália, para o sétimo mercado mais importante para a nossa hotelaria.

Os hotéis de quatro e cinco estrelas mantiveram a preferência da generalidade dos turistas recebidos em 2013, conseguindo melhorar ligeiramente índices de rentabilidade como a taxa líquida de ocupação-cama (de 39,5% em 2012 para 39,7%) ou o rendimento médio por quarto disponível, que melhorou ligeiramente em todas as regiões exceto no Centro e no Algarve (baixando de 31,9euro de 2012 para 31,8euro em 2013).

Houve um setor em que 2013 foi menos positivo: registaram-se menos 4,2% de navios entrados em portos nacionais, quando 2012 tinha apresentado um crescimento de 3,9%. A contribuir para a queda estiveram os portos da Madeira, com menos 14,7% de navios entrados, bem como os dos Açores. Apesar do aumento de navios atracados em Lisboa (+12,4%) e em Portimão (+16,7%), o saldo nacional contou com menos passageiros embarcados e desembarcados ou em trânsito.

Em 2013, a hotelaria recebeu 13,3 milhões de hóspedes, 39,2 milhões de dormidas (+8,5% estrangeiros), dando origem a 1,3 mil milhões de euros de proveitos de aposento (+7,1%)e 1,9 mil milhões de euros de proveitos totais (+6,2%).

 

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/e

publicado por adm às 10:25 | comentar | favorito
tags:
25
Jul 14
25
Jul 14

Jogo "online" tem novo regime

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira o regime do jogo “online” apenas com os votos favoráveis do PSD e do CDS-PP, à excepção do deputado centrista Ribeiro e Castro, que votou contra.

A medida, aprovada em forma de autorização legislativa, prevê um “regime aberto, por licença, sem concessão de exclusivos” para os jogos “online”. A medida introduz ainda outras alterações, como a permissão de os casinos passarem a fazer publicidade. 

A proposta de lei do Governo acabou por ser aprovada com os votos a favor do PSD e do CDS-PP e os contra do PS, PCP, Bloco de Esquerda e "Os Verdes". Ribeiro e Castro votou contra, apresentando uma declaração de voto. 

O antigo líder do CDS-PP considera que a medida elaborada pelo também centrista secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita, é liberal e constituirá “um rombo” no Estado Social, ao corresponder “à privatização progressiva de centenas de milhões de euros de receitas públicas que deixarão de financiar as acções e projectos sociais prioritários onde hoje são aplicadas”. 

Na discussão na especialidade os deputados da oposição criticaram o Governo pelo curto tempo dado ao Parlamento para analisar o novo quadro legal para o jogo “online”.

 

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 22:30 | comentar | favorito
19
Jul 14
19
Jul 14

Menos 21 mil inscritos nos centros de emprego

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego era de 614.982 em Junho, uma descida de 3,4%, menos 21.428 pessoas, face ao mês anterior, indica o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Em comparação com Junho do ano passado, foi registada uma queda de 10,9%, o que representa menos 74.951 pessoas nas listas do IEFP.

O número de desempregados inscritos em Junho representa 70,7% de um total de 870.448 pedidos de emprego efectuados no continente e regiões autónomas.  
  
A análise por género mostra "uma quebra anual do desemprego", tanto nos homens (12,1%) como nas mulheres (9,7%), refere o IEFP.   
  
Quanto ao grupo etário, os segmentos de análise jovens e adultos apresentavam "uma descida anual" de 13,9% e de 0,5%, respectivamente.  
  
No que respeita ao tempo de inscrição, os desempregados registados há menos de um ano (303.567) diminuíram 19,3% face a Junho de 2013, mês em que se registaram 318.378 inscrições.  
  
Os dados do IEFP mostram igualmente que o número de desempregados de longa duração, com tempo de inscrição igual ou superior a um ano, recuou 0,8% em Junho deste ano, face ao mês homólogo.  
  
O número dos desempregados que procuravam um novo emprego em Junho era de 554.576, menos 12,4% face ao mesmo mês do ano passado, enquanto a procura do primeiro emprego aumentou 5,9% face a Junho de 2013. 
  
A nível regional, e comparando com o mês homólogo de 2013, o desemprego diminuiu em todas as regiões do Continente e nas regiões autónomas, tendo a descida mais acentuada sido registada no Algarve.

 

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 15:40 | comentar | favorito