27
Mai 13

Portugal com 4ª maior subida nos preços de electricidade na UE

Em euros, registou uma subida de 20,6 euros por 100 kWh (quilowatts), igual à verificada na Zona Euro e superior à registada na UE (19,7 euros por 100 kWh).

Portugal registou a quarta maior subida na União Europeia (UE) em matéria de preços de electricidade domésticos, entre a segunda metade de 2011 e igual período de 2012, revelou o Eurostat. 

De acordo com o gabinete de estatísticas comunitário, apenas Chipre (21%), Grécia (15%) e Itália (11%) registaram avanços nos preços maiores do que Portugal, onde o custo doméstico de electricidade subiu 9,7% no período indicado, o mesmo crescimento verificado na Irlanda. 

O preço nos 27 Estados-membros da UE subiu, em média 6,6% entre a segunda metade de 2011 e igual período de 2012, depois de ter aumentado 6,3% entre o segundo semestre de 2010 com e o mesmo período de 2011.

Em euros, Portugal registou uma subida de 20,6 euros por 100 kWh (quilowatts), igual à verificada na Zona Euro e superior à registada na UE (19,7 euros por 100 kWh). 

No que respeita ao preço do gás para os consumidores domésticos, Portugal registou uma subida de 15,6% entre a segunda metade de 2011 e igual período de 2012, superior às verificadas na UE e na Zona Euro (10,3% em ambas). 

Entre os 27, as maiores subidas pertenceram na Letónia (21%), na Estónia (19%) e na Bulgária (18%) e a única quebra foi registada na Eslovénia (8%), enquanto os preços permaneceram estáveis na Bélgica, na Dinamarca e na Eslováquia. 

Portugal registou um crescimento de 8,5 euros por 100 kWh, superior às subidas de 7,9 euros na Zona Euro de 7,2 euro na UE.

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 22:23 | comentar | favorito
27
Mai 13

Dois mil fiscais na rua para verificar facturas

Começa esta segunda-feira a maior acção de fiscalização externa a empresas lançada pelas Finanças, com vista a garantir que estão a ser cumpridas as regras de facturação. 

A acção é da responsabilidade da Autoridade Tributária Aduaneira e envolve mais de dois mil funcionários dos Serviços de Finanças e das direcções de Finanças em todo o país. 

O gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, adianta que o objectivo é assegurar que, até Outubro, sejam visitados estabelecimentos comerciais de todos os sectores de actividade. 

Denominada "Plano de Ações Externas Locais", esta operação tem como objectivo fiscalizar o cumprimento das obrigações de facturação das empresas 
e reforçar a eficácia do controlo do sistema e-fatura. 

As novas regras entraram em vigor no início do ano e só no primeiro trimestre foram comunicadas ao fisco mais de 900 milhões de facturas - números muito acima do esperado, segundo admitiu já o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. 

Com a reforma da facturação o Governo quer reforçar a eficácia do combate à fraude e à economia paralela.

fonte:http://rr.sapo.pt/

publicado por adm às 22:23 | comentar | favorito
26
Mai 13

Genéris vai introduzir dez novos genéricos no mercado este ano

A Genéris deverá acrescentar ao seu portfólio, que já conta com 220 medicamentos, dez novos remédios genéricos que serão lançados no mercado nacional ainda este ano. O diretor geral da empresa, Paulo Lilaia, afirma que ainda há potencial de crescimento para os genéricos em Portugal.

Como exemplo refere que a “quota de mercado dos genéricos é de 28%, sendo 14% da Genéris, e é possível duplicar este valor, para este ano a meta é chegar perto dos 20%, uma vez que ainda é uma taxa muito baixa quando comparada com outros países”.

A explicação para esta baixa taxa de quota de mercado não estará certamente no preço, uma vez que, “um medicamento genérico tem um preço médio de seis euros, enquanto que um não genérico é de 12 euros”, explica Paulo Lilaia, acrescentando, a questão “é que Portugal começou muito tarde no mercado dos genéricos, apenas em 2000, enquanto que outros países já o faziam na década de 80, depois são questões culturais, mas o curioso é que são os países mais desenvolvidos que mais consomem genéricos”.

Além de novos medicamentos a Genéris pretende continuar a crescer, “também na área industrial, para produzir para nós, mas também para terceiros, sejam eles nacionais ou internacionais”. Nesse sentido reforçaram o investimento na renovação e expansão dos equipamentos nas suas duas fábricas, que em 2013 contará com um investimento até dois milhões de euros. “Este crescimento de capacidade industrial traduziu-se também na necessidade de novas contratações, tendo sido já este ano integradas mais 25 pessoas na área”.

Para além disso, a Genéris está também numa fase de crescimento no que diz respeito à exportação, “para África, lusófona e francofona, e para o Médio Oriente”, avança Paulo Lilaia. O objetivo da empresa é que a curto prazo as exportações relativas a produtos com a marca Genéris representem mais de 10% das receitas, o que em 2012 rondou os 5% do total das vendas.

A Genéris é atualmente a empresa líder de laboratórios genéricos em Portugal e a empresa nacional com maior portfólio. Criada em 2001, deu início à comercialização de medicamentos em 2002. A empresa está presente há mais de 25 anos no mercado hospitalar, dos seus 220 medicamentos, 60 são para ambiente hospitalar e os restantes para ambulatório.

A empresa tem duas fábricas, uma na Venda Nova, Amadora, e outra em Loures, com uma capacidade instalada de produção de 50 milhões de unidades.  

fonte:http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:45 | comentar | favorito
tags:
26
Mai 13

Benfica fecha época sem títulos

Vitória de Guimarães derrotou hoje o Benfica por 2-1 e conquistou a sua primeira Taça de Portugal.

Nem Liga, nem Liga Europa, nem Taça de Portugal: a tripleta do Benfica em 2012/13 foi de competições perdidas, enquanto o Vitória chegou à sua primeiras Taça.

Pela sexta vez na final, os vimaranenses equilibraram na primeira parte, perturbando as saídas de jogo do Benfica com pressão sobre Matic e Enzo Pérez. Mesmo assim, os lisboetas foram mais perigosos, forçando Douglas a diversas intervenções atentas.

Com mais lances de entendimento pelo lado direito, envolvendo Maxi Pereira e Salvio, o Benfica era mais incisivo, mas esteve à beira de ser surpreendido num contra-ataque minhoto em superioridade numérica.

À passagem da meia hora, porém, uma precipitação na área levou a que uma tentativa de alívio fizesse ricochete no pé esquerdo de Gaitán, ressaltando a bola para a baliza do Vitória. A maré vermelha apoderou-se do Estádio Nacional, Lima e Cardozo experimentaram remates de longe, mas foi o Vitória que se queixou de um penalty sobre Addy perto do intervalo. Havia 45 minutos para contrariar a tendência, procurar a conquista do troféu e os minhotos iriam revelar a força de carácter necessária para operar a reviravolta no marcador.

"E ó Vitória, vamos a eles!" cantou-se do lado minhoto. No entanto, tal como a tarde à medida que se esbatia o sol, o jogo tornou-se frio. Rui Vitória quis que a equipa reagisse e apostou em Marco Matias. Mais tarde, Jesus ripostou com a troca de Cardozo por Urreta, mas, embora aumentasse a velocidade, o encontro permaneceu pouco interessante. Conforme avançava o tempo, as equipas tornavam-se complicativas e o próprio árbitro Jorge Sousa foi acumulando interrupções desnecessárias.

Com Urreta em campo, o Benfica foi mais ameaçador, acercando-se da área com insistência, mesmo que não traduzisse essa presença em oportunidades de golo. Rui Vitória apostou em Crivellaro e acabaria premiado: num mau alívio de Artur, Soudani aproveitou para empatar, deixando os adeptos a celebrar (80 m). Logo no minuto a seguir, num remate de fora da área desferido por Ricardo em que Artur pareceu mal batido, fez-se a reviravolta no resultado.

Com os adeptos do Benfica a deixar o estádio e os do Vitória a celebrar, Jesus substituiu Gaitán por Rodrigo e ainda deu oportunidade a Aimar para os minutos finais, mas o resultado já não sofreu quaisquer alterações. E, enquanto se fazia de frustração o entardecer benfiquista, simbolizada nas manifestações de descontentamento de Cardozo, a maré branca de vitorianos tomava conta do Jamor.

 

fonte-,http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 22:40 | comentar | favorito
22
Mai 13

Mais de 30 mil empresas fugiram ao pagamento de IVA

Novo regime de facturação electrónica entrou em vigor no início deste ano e a fiscalização do seu cumprimento começou logo a ser efectuada.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais revelou que foram detectadas mais de 30 mil empresas em situação irregular, de não entrega de IVA devido. 

"Nos primeiros três meses de actividade da reforma de facturação foi possível já detectar mais de 30 mil empresas com situações ilegais e irregulares de não entrega do IVA devido, com base nas facturas emitidas, e foi possível também detectar mais de 14 mil empresas que, embora não estivessem registadas nas Finanças, emitiam facturas e estavam a operar", afirmou Paulo Núncio numa declaração proferida esta manhã no Ministério das Finanças, em Lisboa. 

O secretário de Estado considerou que, no que concerne às 14 mil empresas detectadas, "essa é claramente uma situação de economia paralela que este novo sistema e este novo regime permitiu detectar". 

O novo regime de facturação electrónica entrou em vigor no início deste ano e a fiscalização do seu cumprimento começou logo a ser efectuada. 

A factura é obrigatória em todas as transacções comerciais, mesmo que esta não seja pedida pelo consumidor final. O incumprimento desta obrigação está sujeita a uma coima que pode ascender a 3.750 euros por infracção.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 23:45 | comentar | favorito
tags:
22
Mai 13

Merkel é a mulher mais poderosa do mundo pelo terceiro ano consecutivo

Lista da "Forbes" elenca anualmente as mais poderosas figuras do mundo feminino na política, economia, cultura, artes e desporto, elencando-as por "dinheiro, presença nos meios de comunicação social e impacto".


A chanceler alemã, Angela Merkel, é a mulher mais poderosa do mundo pelo terceiro ano consecutivo, seguida da presidente brasileira, Dilma Rousseff, segundo a lista da revista norte-americana “Forbes”.

Depois aparece Melinda Gates, presidente da Fundação Bill e Melinda Gates, seguida pela primeira-dama dos Estados Unidos da América, Michelle Obama, e pela antiga secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton (em 5º lugar). 

De acordo com a revista norte-americana, esta lista publicada anualmente inclui as mais poderosas figuras do mundo feminino na política, economia, cultura, artes e desporto, elencando-as por "dinheiro, presença nos meios de comunicação social e impacto", sendo que a chanceler alemã ganhou o título em oito dos dez anos. 

A complementar o “Top 10” surge Sheryl Sandberg, directora de operações do Facebook (6º); seguida de Christine Lagarde, directora do FMI (Fundo Monetário Internacional); em oitvavo Janet Napolitano, secretária da Segurança Nacional dos Estados Unidos; depois Sonia Gandhi, líder do Partido do Congresso na Índia; e em 10º a indiana Indra Nooyi, presidente do grupo PepsiCo.

No ano passado, a lista era liderada por Merkel, seguida da então secretária de Estado Hillary Clinton e da presidente do Brasil.

fonte:http://rr.sapo.pt/in

publicado por adm às 23:43 | comentar | favorito
20
Mai 13

Nissan prepara-se para comercializar primeiro mini carro em parceria com Mitsubishi

A Nissan começou a produzir um mini carro em Okayama, numa parceria conjunta com a Mitsubishi. O modelo será vendido a partir de Junho, como Nissan DAYZ e Mitsubishi eK Wagon.

A Nissan, que já tinha comercializado mini carros construídos pela Suzuki e pela Mitsubishi, com outro nome, está a preparar-se para comercializar o primeiro mini carro em parceria com a Mitsubishi, ganhando quota de mercado numa categoria que conta com 38% das vendas mais recentes de carros no Japão, segundo a Bloomberg.

 

Apelidados de “Kei”, estes carros são conhecidos pelo seu baixo custo e facilidade de condução, e perspectiva-se que as suas vendas venham a aumentar, mesmo que o mercado sofra uma nova quebra, de acordo com o IHS Automotive.

 

“É importante estes carros para a expansão no mercado doméstico”, afirmou Kohei Takahashi, analista do JPMorgan Chase. “No mercado japonês, que está em quebra, este é um dos poucos segmentos a crescer”.

 

A Nissan começou uma parceria conjunta com a Mitsubishi há dois anos para desenvolver este tipo de carros para o mercado japonês, e planeia introduzir um segundo modelo no próximo ano. O Nissan DAYZ vai competir com o Honda N-box, o líder de vendas do segmento este ano, e com o Daihatsu Move.

 

“Estamos envolvidos no desenvolvimento deste carro”, afirmou Toshiyuki Shiga, presidente de operações da Nissan. “Estamos aptos a construir um mini carro que gostássemos de ver, e com as características da Nissan”.

 

Nos últimos anos este tipo de carros tornou-se muito popular no Japão depois do governo ter diminuído os impostos para a sua compra, e de ter criado lugares de estacionamento próprio para os mesmos.

 

Ainda assim, a sua margem é curta e são precisos vender cerca de 10 destes carros para obter o mesmo lucro que com um carro de passageiros normal, de acordo com estimativas de Koji Endo, analista do Advanced Research Japan.

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/e

publicado por adm às 21:00 | comentar | favorito

Portugueses trabalham até 4 de Junho só para pagar impostos

Os portugueses vão ter de trabalhar este ano até 4 de Junho só para pagar impostos.

Os portugueses vão precisar de trabalhar este ano mais de cinco meses, até ao dia 4 de Junho, para pagar impostos e só daí em diante o salário se torna verdadeiro rendimento líquido, segundo um estudo.

De acordo com o "The tax burden of typical workers in the EU 27" ('O fardo fiscal dos trabalhadores médios na Europa a 27'), relatório da organização New Direction - Fundação para a Reforma Europeia, o número de dias que os portugueses têm de trabalhar para pagar os seus impostos tem vindo a aumentar nos últimos anos.

Em 2011, os portugueses tiveram de trabalhar até 29 de Maio para cumprir as suas obrigações fiscais e, em 2012, até 3 de Junho, data em que puderam celebrar o Dia da Libertação de Impostos, dia a partir da qual o rendimento ganho já é para encaixe próprio e não para o Estado.

No contexto europeu, Portugal é, este ano, o 7.º país da União Europeia (UE) onde os cidadãos têm de trabalhar menos dias, depois de, em 2012, ter ocupado a 9.ª posição entre os 27 Estados-membros.

Segundo o estudo, da autoria de James Rogers e Cécile Philippe, Chipre é o país em que, este ano, os cidadãos têm de trabalhar menos dias (14 de março), seguindo-se a Irlanda (24 de abril) e Malta (29 de abril).

Por oposição, os belgas são os europeus que mais dias têm de trabalhar para se "libertarem" dos impostos: este ano, a Bélgica assinala o Dia da Libertação de Impostos a 08 de Agosto, três dias mais tarde do que em 2012.

Os espanhóis, por exemplo, têm de trabalhar até 12 de Junho para chegarem à libertação de impostos e os gregos até 17 de Junho.

Tomando a economia europeia como um todo, "os trabalhadores médios na UE viram a sua taxa real de impostos aumentar novamente este ano, dos 44,89% em 2012 para os 45,06% em 2013", uma subida que é, "em grande medida, uma consequência do aumento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) em 16 Estados-membros", lê-se no documento.

Portugal é um dos 16 países que aumentou o IVA, de 20% para 23% desde 2010, começou por dizer à Lusa James Rogers, um dos autores do estudo.

James Rogers acrescentou que o total de impostos tidos em conta no estudo (contribuições para a Segurança Social, impostos sobre o rendimento e IVA) pagos por um trabalhador português médio "aumentou de 40,9% para 42,2% nesse período, o que significa que tem de trabalhar mais cinco dias para pagar impostos do que há quatro anos".

A organização New Direction - Fundação para a Reforma Europeia, um 'think tank' (grupo de reflexão) com sede em Bruxelas, realizou o estudo, em parceria com o Instituto Económico Molinari.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 20:37 | comentar | favorito
tags:

Real Madrid oficializa adeus a Mourinho

Florentino Pérez anunciou rescisão por mútuo acordo com o treinador português.

Três anos depois José Mourinho está oficialmente de saída do Real Madrid. Numa conferência de imprensa convocada para a tarde de hoje, Floretino Pérez anunciou a rescisão por mútuo acordo com o técnico português.

Depois de na primeira temporada em Madrid ter conquistado a Taça do Rei e de no ano passado se ter sagrado campeão espanhol, esta época Mourinho não conseguiu qualquer troféu tendo visto Barcelona celebrar a Liga, Atlético de Madrid a Taça e o Borussia de Dortmund eliminá-lo nas meias-finais da Liga dos Campeões.

Embora o presidente faça um balanço "positivo" da passagem do português pelo clube, as polémicas com os elementos mais influentes do plantel e o falhanço na conquista da 10ª taça dos campeões europeus, terão sido os motivos a levar à saída do português."No ano passado estávamos encantados, tínhamos um futebol espectacular e batido todos os recordes. Este ano, para nós não é suficiente ficar em segundo na Liga, ser finalista da Taça e semi-finalista na Liga dos Campeões. É por isso que o Real é grande, somos exigentes e a nossa cultura é de vitórias", disse o presidente.

Embora ainda não seja oficial, José Mourinho deverá estar de regresso ao Chelsea, enquanto para o seu lugar, avança o diário espanhol Marca, deverá ser Carlo Ancelotti, actualmente ao serviço do Paris Saint Germain.

 fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 20:35 | comentar | favorito
tags:
20
Mai 13

Paraísos fiscais custam 1 bilião

A União Europeia calcula que o buraco negro provocado pelos paraísos fiscais (offshores) custe aos europeus um bilião de euros por ano (o equivalente a cerca de seis vezes o PIB anual português). O fim do segredo bancário, que pode combater a evasão fiscal e a fuga de capitais, vai estar em debate na cimeira europeia, que se realiza na próxima quarta-feira. 

Em causa está uma nova diretiva europeia que que irá permitir aos 27 governos partilhar automaticamente informação sobre todas as fontes relevantes, nomeadamente investimentos, dividendos e rendimentos de capital, segundo o jornal ‘El País’ que dedica um extenso artigo aos paraísos fiscais. 

A reunião do Conselho Europeu é antecedida, na terça-feira, por uma sessão do Parlamento Europeu também dominada pelo debate com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, sobre o combate à fraude e evasão fiscais. Segundo o jornal espanhol, que cita dados sobre a opacidade da informação do Tax Justice Network, também a grande Banca tem usado os paraísos fiscais, nomeadamente o Citigroup, o Barclays e o Morgan Stanley.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/n

publicado por adm às 20:34 | comentar | favorito