31
Jan 13

Carros a GPL vão poder estacionar em subterrâneos daqui a três meses

Legislação já foi publicada em "Diário da República", mas ainda falta regulamentação que defina as regras de segurança que os veículos devem cumprir.


Daqui a três meses os veículos a gases de petróleo liquefeito (GPL) vão poder estacionar em parques de estacionamento fechados e abaixo do nível do solo. A portaria que aprova esta alteração foi publicada, esta quinta-feira, em "Diário da República" e entra em vigor daqui a três meses.

De acordo com o diploma, os veículos vão ter de obedecer a determinadas regras de segurança que ainda vão ser estabelecidas por uma portaria que terá de ser publicada nos próximos 90 dias.

O Parlamento aprovou, em Junho do ano passado, a ideia das viaturas a GPL poderem estacionar em parques subterrâneos. Na altura, pretendia-se também que estes carros deixassem de usar o dístico que identifica o combustível que usam, mas, na portaria que foi esta quinta-feira publica lê-se que que os veículos ligeiros que utilizam GPL ou gás natural vão ter de continuar a “exibir, de forma visível do exterior, uma vinheta identificadora”.

Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas congratula-se com nova lei 
António Comprido, da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas, garante que “não estão em causa questões de segurança”, uma vez que este estacionamento vai ser devidamente regulamentado e aplaude as alterações. 

“Não faz sentido, praticamente essa restrição não existia em mais nenhum país europeu, que esses veículos fossem impedidos de utilizar os parques de estacionamento subterrâneos”, diz à Renascença

Por isso, António Comprido congratula-se “com a saída da nova lei”. “Tanto quando me apercebi ainda falta a saída da portaria a regulamentar uma série de coisas. A lei não será eficaz enquanto não for completada por essas portarias”.

fonte:http://rr.sapo.pt/i


publicado por adm às 21:27 | comentar | favorito
31
Jan 13

Fisco já começou a multar comerciantes sem facturação electrónica

São coimas de pelo menos 3.750 euros. Já o Fisco faz um balanço muito positivo da reacção dos contribuintes.

Os comerciantes sem facturação electrónica já estão a receber multas do Fisco. A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares (AHRESP) diz ter conhecimento de, pelo menos, duas ou três contra-ordenações, por falta de sistema de facturação electrónico exigido por lei.

As coimas aplicadas a estes comerciantes da zona centro, de pelo menos 3.750 euros, foram criticadas pelo secretário-geral da associação, José Manuel Esteves, que lembrou os atrasos que tem havido na entrega do equipamento e “software” necessários para o cumprimento da lei, que chegaram a esgotar no mercado. 

"Espero que sejam apenas casos pontuais" as contra-ordenações aplicadas aos comerciantes, disse o representante da AHRESP, condenando a falta de informação que a Autoridade Tributária sobre o novo regime de facturação que tem "desesperado" os comerciantes. 

Já o Fisco faz um balanço muito positivo da reacção dos contribuintes: mais de 18 mil consumidores já registaram facturas no portal das Finanças, de acordo com o director da Autoridade Tributária.

"Ficamos surpreendidos pela quantidade de sugestões de contribuintes, muitas enviadas por email, e a participação ultrapassou as expectativas", afirmou Azevedo Pereira, num encontro hoje em Lisboa sobre facturação electrónica. 

As facturas registadas dizem respeito a despesas de restauração, hotelaria, reparações de veículos e cabeleireiros e estes contribuintes vão ter direiro a 5% do IVA suportado nessas compras, até ao limite de 250 euros por agregado familiar. 

fonte:http://rr.sapo.pt/

publicado por adm às 21:22 | comentar | favorito
30
Jan 13

Insolvências de empresas aumentaram 41% em 2012

O sector da construção foi o mais atingido. Por distritos, o Porto continua a ser o que maior peso apresenta, seguido de Lisboa e de Braga.

O número de empresas insolventes em Portugal aumentou 41% em 2012 face ao ano anterior, para 6.688, com o sector da construção a ser o mais atingido, indica um estudo anual da seguradora de crédito e caução COSEC, divulgado esta quarta-feira.

O sector representou cerca de 28% do total das insolvências verificadas em 2012, com 1.846 casos, refere o estudo. 

Por distritos, o do Porto continua a ser o que maior peso apresenta, com 24% das insolvências a nível nacional, seguido de Lisboa (21%) e de Braga (12%). Bragança apresenta o menor número de casos, apenas 0,5% do total de insolvências (33 registos), abaixo de Portalegre, Beja e Açores, com 0,7%. 

O estudo destaca também que 76% das empresas que entraram em insolvência são microempresas, com prevalência para um número acentuado de registos nos sectores da construção (20%), retalho (14%) e nos serviços (13%)". 

Os sectores em que se registaram maior variação no número de casos de insolvência, face a igual período de 2011, foram o dos serviços, metalúrgico e produtos químicos, com uma variação de 58%, 56% e 54%, respectivamente. 

A seguradora adianta que "Portugal será um dos quatro países europeus, em conjunto com o Reino Unido, Noruega e Suíça, que deve apresentar uma redução no número de insolvências em 2013. Esta situação acontecerá após sete anos consecutivos de "um acentuado crescimento" deste indicador. 

De acordo com a COSEC, ao nível mundial, as insolvências registaram um aumento de 1% em 2012, face ao ano precedente.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 20:43 | comentar | favorito
30
Jan 13

Mais de 70% dos portugueses têm dificuldades em pagar contas

Sete em cada 10 portugueses têm dificuldades em pagar as suas contas no final do mês, uma média claramente acima da europeia. As contas são avançadas num estudo que está a ser divulgado pela empresa TNS.

Tendo por base dados do Eurobarómetro para a Comissão Europeia, o estudo indica que 72% dos portugueses têm problemas para fazer face às suas despesas.

Em toda a União Europeia, Portugal só é ultrapassado pela Grécia, onde 89% dos cidadãos têm dificuldades em pagar as contas, e pela Bulgária, com 73%.

Na Irlanda, que tal como Portugal e a Grécia foi alvo de um resgate da “troika”, a percentagem é de 59%, enquanto em Espanha é de 46%.

A média europeia é bastante mais baixa do que a verificada em Portugal, situando-se nos 41%, indica o estudo da empresa TNS. 

Contas feitas, existem 11 países da União Europeia em que mais de metade dos inquiridos no revela ter dificuldades em pagar as contas ao fim do mês.
 
Do outro lado da balança, a Suécia é o Estado-membro onde os cidadãos têm menor dificuldade em pagar as despesas do mês. Apenas 10% dos suecos dizem sentir problemas.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 20:41 | comentar | favorito
29
Jan 13

CTT cortam 11% dos postos de trabalho

Entre o final de 2011 e durante 2012 a empresa avançou com a reorganização da estrutura que ditou a saída de mais de 1.500 trabalhadores.

A administração dos CTT Correios de Portugal explica em comunicado que prosseguiu a adaptação do capital humano à evolução do negócio postal, o que implicou que no último ano tenha rescindido com 1.534 colaboradores em Portugal, o que corresponde a 11% do total dos postos de trabalho.

Com esta reorganização, a empresa fechou 2012 com 12.413 colaboradores no território português, de um total de 12.956.

No mesmo comunicado, o presidente dos CTT justifica que esta reorganização pretende "dar mais eficácia ao funcionamento da organização e teve por base princípios de eficiência e racionalização, em especial das áreas centrais corporativas e de serviços partilhados".

A empresa explica ainda que a redução de colaboradores resulta de 708 reformas e aposentações, da não renovação de 521 contratos a prazo, de 163 acordos de pré-reforma e equivalentes, de 58 rescisões por mútuo acordo e de 84 por razões diversas.

Os CTT extinguiram 98 cargos de chefias, equivalentes a mais de 22% das existentes, o que permitiu reduzir 215 veículos de uso pessoal, 51% do total existente, e conseguir uma poupança de um milhão de euros.

 fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 21:33 | comentar | favorito
tags:
29
Jan 13

Direção do PS acusa António Costa de "deslealdade"

A direção do PS reagiu, esta terça-feira, em bloco, considerando que a possibilidade de António Costa se candidatar a secretário-geral do partido, em simultâneo com a candidatura à Câmara de Lisboa, representa uma "deslealdade".


Estas posições foram assumidas pelo porta-voz do PS, João Ribeiro, e pelo secretário nacional para a Organização, Miguel Laranjeiro, à entrada para a reunião da Comissão Política dos socialistas.

Recorde-se que António Costa prepara-se para anunciar que se candidatará a secretário-geral do PS e à Câmara de Lisboa.

Perante este cenário, o porta-voz dos socialistas comentou: "É uma deslealdade nunca vista. Costumávamos assistir a isto no PSD, mas no PS não havia registo histórico", afirmou João Assunção Ribeiro.

No mesmo sentido, Miguel Laranjeiro falou "em desrespeito" pelos militantes que estão envolvidos na preparação das eleições autárquicas e, também, "em deslealdade".

"Trata-se de uma deslealdade em relação à direção do partido e em relação ao secretário-geral. Há milhares de militantes a darem o seu melhor e não mereciam isso", afirmou, numa nova crítica dirigida ao presidente da Câmara de Lisboa.

fonte:http://www.jn.pt/P


publicado por adm às 21:28 | comentar | favorito
28
Jan 13

Comissão Europeia vai acompanhar comércio de bacalhau para Portugal

A Comissão Europeia vai monitorizar o comércio de bacalhau para Portugal, de modo a salvaguardar a comercialização do peixe de acordo com a cura tradicional e sem polifosfatos, disse, esta segunda-feira, em Bruxelas, a ministra da Agricultura.

"Hoje (segunda-feira), o senhor comissário (da Saúde e Defesa do Consumidor) Borg anunciou que a Comissão irá proceder a uma monitorização do próprio comércio de bacalhau para Portugal para garantir que o mercado português não é, de forma nenhuma, afetado por estas decisões em matéria do uso dos polifosfatos", afirmou Assunção Cristas aos jornalistas, à saída do Conselho de Ministros de Agricultura e Pescas da União Europeia (UE).

Portugal tem reivindicado que o futuro regulamento comunitário de cura química do bacalhau contemple uma exceção que assegure que se pode continuar a consumir bacalhau de acordo com a cura tradicional de salga, decorrendo atualmente negociações entre o Governo e a Comissão Europeia.

"Tem havido evoluções (nas negociações) para que se garanta que, em Portugal, se continua a consumir o bacalhau com a cura tradicional, com a salga tradicional", disse a ministra, acrescentando que está a ser desenvolvido um "método de rotulagem que assegure que fica especificado no peixe que não tem o uso de polifosfatos".

A 12 de setembro, a Comissão Europeia adiou a votação da proposta sobre utilização de fosfatos no bacalhau e, nessa altura, teve início um processo de negociação com Portugal, tendo em vista a definição de medidas que atenuem o impacto desta alteração legislativa sobre a indústria portuguesa.

A proposta, apresentada pela Islândia e pela Noruega, visa obter a autorização da UE para introduzir aditivos alimentares no bacalhau de salga húmida.

fonte:http://www.jn.pt/P


publicado por adm às 21:13 | comentar | favorito

Novas portagens nas ex-SCUT em Março e com ‘chip’ obrigatório

O Executivo está ainda a estudar a possibilidade de tornar obrigatório o uso de um identificador electrónico de cobrança equivalente à Via Verde.

O Governo comprometeu-se perante a ‘troika' a introduzir, em Março, novas portagens nas antigas SCUT e em duas outras concessionárias de auto-estradas.

Segundo o documento do Governo a que o Diário Económico teve acesso, apresentado à ‘troika' durante a sexta avaliação do memorando de entendimento, em Novembro passado, o objectivo operacional pretendido com o processo de renegociação dos contratos entre o Estado português e as concessionárias - sete ex-SCUT (sem cobrança ao utilizador)- é obter uma poupança de cerca de 30,5 milhões de euros por ano.

Para tal, o Executivo pretende reduzir os custos de investimento e as comissões pagas pela cobrança de portagens em 22%. Além disso, quer implementar uma nova moldura operacional, assentando todo o serviço de cobrança de portagens num simples ‘back office' a nível nacional, com a redução das taxas cobradas pelos bancos e pela rede dos CTT, onde agora se podem pagar as portagens através das modalidades pré-pagas, entre outras.

O Governo assume, no mesmo documento, que a redução dos custos de investimento já está concretizada e que o corte das comissões de serviço de diversas entidades está praticamente concluído. A mudança da moldura operacional de cobrança de portagens está a ser analisada, garante o mesmo documento.Contactada pelo Económico, fonte oficial do Ministério da Economia adiantou que "foram dadas em tempos orientações à Estradas de Portugal [EP] para que procedesse a uma análise técnica de revisão do sistema de cobrança MLFF ['multi lane free flow', mais conhecido por sistema de pórticos], face aos desequilíbrios que o mesmo produz".

Nessas orientações dadas à EP, o Ministério da Economia sublinhava a necessidade de "equidade no valor cobrado por veículo-quilómetro, de igualdade de tratamento entre os utilizadores, que os princípios de utilizador-pagador e de coesão territorial sejam aprofundados" e ainda que a solução a apresentar pela EP "deve levar em conta o nível de vida das várias regiões".

"Até ao momento, não foi recebido qualquer documento ou proposta da Estradas de Portugal, pelo que não há, por isso mesmo, nenhuma decisão tomada quanto ao novo modelo de cobrança", sublinha a mesma fonte oficial do Ministério da Economia.

A mesma fonte do Ministério da Economia reitera o objectivo de reduzir os encargos com PPP rodoviárias em pelo menos 250 milhões de euros durante o presente ano e de cerca de 7.200 milhões de euros durante a vida dos contratos.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 21:08 | comentar | favorito
28
Jan 13

Portugueses pouparam mais em 2012

Em cada 100 euros de rendimento, os portugueses conseguiam pôr de lado 11,20. Taxa de poupança em Setembro esteve ao nível da de 2003.

Os portugueses conseguiram aumentar a poupança no ano passado, apesar da crise e da austeridade.

É preciso recuar ao terceiro trimestre de 2003 para ter uma taxa de poupança das famílias tão elevada quanto a de Setembro do ano passado. Nessa altura, por cada 100 euros de rendimento, os portugueses conseguiam pôr de lado 11,20 euros. A taxa de poupança atingiu, assim, os 11,2%, apesar da queda no rendimento registada ao longo do ano passado. 

De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística, a justificar este aumento da poupança está, sobretudo, a redução do consumo. 

Este comportamento deverá manter-se este ano. O Banco de Portugal prevê, no seu Boletim Económico de Inverno, que a taxa de poupança se mantenha estável nos 11%, mais uma vez, por causa da redução no consumo e da incerteza sobre o futuro.

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 21:01 | comentar | favorito
27
Jan 13
27
Jan 13

Os oito carros mais seguros de 2012

Organismo europeu Euro NCAP elegeu os modelos que melhor pontuação obtiveram nos seus testes de 2012

O Euro NCAP (European New Car Assessment Programme), organismo europeu independente que avalia a segurança de automóveis novos, elegeu os melhores carros de 2012 em cada segmento, com base nos seus testes de segurança.

No ano passado, foram 36 os automóveis novos testados pelo organismo, sendo que apenas onze não foram além das quatro estrelas, com os resultados mais fracos de todos, a ser conseguido pelo Jeep Compass e Renault Trafic, ambos com duas estrelas apenas. Agora, a organização revelou quais são os melhores de entre cada segmento.

O organismo de segurança rodoviária escolheu como os melhores do ano o Ford Kuga na categoria dos «SUV compactos», Renault Clio entre os «Utilitários» e Volvo V40 na categoria «Familiares Compactos». Entre os pequenos monovolumes, o melhor foi, ex-aquo, Fiat 500L e Ford B-Max, enquanto o BMW Série 3 foi o melhor na categoria «Berlinas».

Na categoria dos 4x4 familiares, o melhor foi o Hyundai Santa Fé, e nos Veículos Comerciais, foi a Ford Transit que teve os melhores resultados dos testes efetuados.

Entre todos os mencionados, a V40 da Volvo teve a melhor pontuação absoluta, e um recorde de segurança desde que são realizados os testes Euro NCAP. Os segundos classificados em cada categoria foram, respetivamente, o Ford Fiesta, o Opel Mokka, a Volvo V60 Plug-in Hybrid, o Subaru Forester e o Range Rover.

Pela primeira vez, os veículos comerciais foram também testados, com a Ford Transit a destacar-se dos «irmãos» Fiat Scudo, Citroën Jumpy e Peugeot Expert, todos com três estrelas.

No ano passado, o Euro NCAP passou a incluir o sistema de Travagem de Emergência Autónoma, por forma a promover a massificação desta importante tecnologia na Europa. Já este ano, o sistema de Assistência Inteligente à Velocidade foi também acrescentado.

Os vencedores Euro NCAP, por segmento, são:

Renault Clio - Utilitário
Volvo V40 - Familiar compacto
BMW Série 3 - Berlina
Fiat 500L and Ford B-Max - Mini MPV
Ford Kuga – 4x4 compactos
Hyundai Santa Fe – 4x4 familiares
Ford Transit - Veículo comercial

Segundos classificados:

Ford Fiesta - Utilitário
Opel Mokka - Familiar compacto
Volvo V60 Plug-In Hybrid - Berlina
Subaru Forester – 4x4 compactos
Range Rover – 4x4 familiares
Fiat Scudo, Citroen Jumpy e Peugeot Expert - Veículo comercial


fonte:http://www.autoportal.iol.pt/

publicado por adm às 21:20 | comentar | favorito