Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

01
Jan12

Famílias poupam cada vez menos

adm

As remunerações médias por trabalhador caíram pela primeira vez desde 1999.

As famílias estão a poupar cada vez menos. Apesar da quebra verificada no consumo, a redução dos rendimentos foi ainda mais forte, impossibilitando a manutenção da poupança, mostram os dados divulgados esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Do conjunto dos rendimentos brutos recebidos durante o ano que terminou em Setembro, as famílias colocaram de parte 8,9%. Este valor ficou aquém dos 9,1% registados em Junho e é o mais baixo desde o segundo trimestre de 2009.

O relatório do INE explica que a poupança corrente registou uma quebra de 2,2% "em resultado de uma diminuição do rendimento disponível das famílias mais intensa (-0,3%) que a do respectivo consumo final (-0.1%)". Ou seja, quer dizer que "as famílias ainda não ajustaram, no ano que terminou em Setembro, o seu ritmo de consumo ao da evolução dos seus rendimentos", explica a economista Paula Carvalho, do departamento de research do BPI. 

Apesar da redução da poupança se verificar pelo quinto trimestre consecutivo, a especialista prevê uma inversão de tendência nos próximos meses. "A expectativa é que a taxa de poupança volte a aumentar, apesar da queda dos rendimentos", garante, explicando que as famílias deverão intensificar "o adiamento da compra de bens não essenciais e a redução dos consumos".

Mas, por enquanto, o resultado da diminuição da poupança reflecte-se na redução da capacidade de financiamento das famílias, que caiu de 3,6% para 3,4%. O INE frisa que esta foi a primeira vez que as remunerações médias por trabalhador caíram, desde que há registos (1999). A contracção justifica-se pela redução média de 2% das remunerações pagas pelas administrações públicas, contrabalançada por uma quase estagnação dos salários no privado, que variaram 0,2%. A estes valores falta descontar a inflação, que tem evoluído em torno dos 3% e que também retira rendimento disponível.

Empresas ficam mais dependentes de financiamento

À semelhança das famílias, também as empresas atravessam dificuldades. O relatório do INE mostra que as suas necessidades de financiamento - que é o equivalente ao défice das administrações públicas, mas no conjunto das empresas - aumentaram de 5,1% para 5,5%. Este agravamento do défice poderia ter sido ainda maior, não fosse o corte a direito no investimento, que registou uma queda de 20,5%.

Já a banca aumentou as suas capacidades de financiamento, passando de um saldo positivo de 2,7% para 3,1%. Estes resultados são consistentes com o esforço de recapitalização que os bancos têm vindo implementar ao longo deste ano.

fonte:http://economico.sapo.pt/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D