Saída do euro implicaria queda do valor dos salários até 50%

O economista Vítor Bento disse esta segunda-feira que a saída de Portugal do euro poderia implicar uma queda do valor dos salários e das poupanças entre 30% a 50%.

Ainda assim, o presidente da SIBS e conselheiro de Estado, admite que a saída de Portugal da moeda única deve ser um cenário que, tal como outros, deve ser equacionado.

«Há quem esteja a propor a nossa saída do euro. Não devemos recusar discutir esse assunto, como se fosse um dogma religioso. Devemos ter disponibilidade para discutir todos os cenários. Mas quem defende essa via deve pôr em cima da mesa essas implicações. E, na minha opinião, entre outras coisas, haverá uma queda do valor dos salários e das poupanças entre 30% e 50%», defendeu em entrevista ao jornal «Público».

Bento assegurou ainda que a acontecer tal cenário, «teríamos um grande e imediato empobrecimento. E, durante uns meses, iria haver uma tremenda confusão na marcação dos preços e com a ausência de notas e moedas para transaccionar».

Para o economista, «não será possível carimbar notas de euros. A situação (se acontecer) será caótica», explicou.

Na mesma entrevista, Vítor Bento adiantou ainda que «os custos laborais terão de se ajustar em baixa» e que «a descida da TSU permitiria fazer isso sem mexer nos salários». O receio é que, se nada se fizer proactivamente, «o ajustamento da competitividade acabe feito à bruta, através de uma grande recessão para que o mercado ajuste automaticamente».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 23:29 | comentar | favorito
tags: