Exames médicos também vão aumentar

As taxas moderadoras vão mais do que duplicar em 2012 e há muitas isenções que vão deixar de existir. Mas não só: as taxas para exames médicos também vão sofrer aumentos. 
A partir de Janeiro, além das consultas, alguns textes de raio-X, ressonâncias magnéticas ou análises podem ficar mais caras. 

O jornal «Público» escreve esta quarta-feira que os ajustes a efectuar neste sector «podem ser muito variáveis» e o «Diário Económico» revela que, para além desses exames que vão encarecer, vão existir também novas taxas para actos prestados por pessoal não médico, como nutricionistas, enfermeiros ou psicólogos. Por exemplo, fazer um penso num centro de saúde vai passar a ser cobrado quando até aqui era um serviço prestado gratuitamente.

De qualquer modo, diz o mesmo jornal, há uma boa notícia: o Governo prepara-se para impor um tecto de 50 euros, ao que os hospitais podem cobrar por cada visita, independentemente dos cuidados recebidos e do meio de diagnóstico, pelo que as taxas deixarão de ser acumuladas. 

A portaria que vai definir os aumentos a aplicar na tabela deve ser publicada na próxima semana. 

«Ninguém deixa de ser atendido por não ter fundos»

O ministro da Saúde defende que, com as alterações às taxas moderadoras, está a aumentar-se o acesso à saúde. Pelas contas de Paulo Macedo, mais de seis milhões de utentes vão ficar isentos.

O ministro da Saúde garante que «ninguém deixa de ser atendido por não ter fundos». A prova de condição económica vai fazer-se a partir de uma ligação directa dos serviços hospitalares com a Direcção-Geral dos Impostos. 

A partir de Janeiro, as consultas nos centros de saúde passam de 2,25 euros para cinco. Um aumento de 122%. 
Nas urgências hospitalares, a taxa moderadora passa de 9,60 para 20 euros, uma subida de 108%. 

Aos jornalistas, o ministro garantiu que está «muito tranquilo» com a decisão de aumentar as taxas.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/e

publicado por adm às 23:29 | comentar | favorito
tags: