Passos admite cortar menos subsídios e a menos pessoas

Rendimento a partir do qual subsídios começam a ser cortados pode ser revisto em alta e eliminação total dos dois subsídios pode abranger menos pessoas

 

O primeiro-ministro confirmou este sábado que estão em curso negociações com o Partido Socialista para aplicar alterações ao corte dos subsídios de férias e Natal dos funcionários públicos e pensionistas. O PS quer aumentar o valor de rendimentos a partir do qual se aplicam cortes (que é de 485 euros na proposta do Governo) e quer que a perda integral de dois subsídios abranja menos pessoas e Passos Coelho não afasta a hipótese.

O chefe do Governo sublinhou que as propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2012 apresentadas pelos socialistas «estão para além daquilo que é possível alterar no Orçamento», mas admitiu que «o Governo mantém abertura, se houver evolução da parte do PS, para fazer alguma modelação na forma como estas medidas que têm um impacto social mais pesado possam vir a ser aplicadas».

Os subsídios de férias e Natal dos funcionários públicos e pensionistas vão sofrer cortes, «mas podemos fazer alguma modelação, ou seja, talvez possamos, na forma de aplicar, ver se conseguimos garantir que o valor mínimo a partir do qual a medida se aplica possa ser um pouco mais elevado e se se pode também mexer no valor a partir do qual se consuma o corte dos dois subsídios».

O executivo mantém «a necessidade de adopção destas medidas, mas está disponível para poder graduar a maneira como elas serão aplicadas». Mas, avisa, «isso exige que se encontre do lado da receita a compensação necessária de modo que o nosso valor para o défice no próximo (4,5% do PIB) não esteja em causa».

Os deputados dos dois grupos parlamentares estão a negociar e Passos espera que «até segunda-feira» haja já «uma noção sobre se conseguimos atingir esse equilíbrio».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 13:51 | comentar | favorito
tags: