Municípios dispensam iluminações de Natal para conter despesas

Municípios vão cortar nas despesas com as luzes de Natal.

Em tempo de contenção financeira, somam-se os municípios que vão diminuir os gastos com iluminações de Natal e na maioria as percentagens de redução têm dois dígitos. Noutros concelhos, as contas nem precisam ser feitas: as luzes não vão sequer acender-se.

Em 2010, uma petição 'online' dirigida aos presidentes da Assembleia da República, da Associação Nacional de Municípios e das câmaras de Lisboa e Porto, com mais de 1.300 assinaturas, tentou "acender uma ideia" apontando a necessidade de poupar dinheiro num "Natal sem luzes".

Embora o pedido não tenha recebido a resposta esperada, este ano as duas autarquias cederam pelo menos ao objectivo de uma poupança significativa - em Lisboa os gastos são de 150 mil euros, menos 700 mil do que no ano passado, enquanto no Porto o investimento será cortado em "40 a 50%", segundo informação dos municípios.

A Lusa encontrou muitos outros exemplos desta tendência por todo o país. No Norte, as reduções em Viana do Castelo, Matosinhos e Vila do Conde fixaram-se, respectivamente, em 20%, 23% e 25%. Já a Câmara da Póvoa de Varzim decidiu cortar por completo com as iluminações, poupando 80 mil euros, o valor gasto em 2010.

A opção foi também tomada em Torres Vedras, Lourinhã, Alenquer, Vila Franca de Xira, Azambuja e Portalegre, concelho onde poderá apenas surgir uma situação excepcional numa das principais artérias comerciais. Segundo fonte do município, a verba inicialmente prevista para as iluminações será canalizada para projectos de acção social.

Num modelo distinto, a Câmara de Évora revelou que vai ser aplicado um total de 15 mil euros no sistema luminoso e na ajuda às famílias mais carenciadas. Em Beja, o vereador Miguel Góis adiantou que no município os "constrangimentos financeiros" obrigam a uma redução de "cerca de 75 a 80%".

fonte:http://economico.sapo.pt/n

 

publicado por adm às 17:51 | comentar | favorito