Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noticias do momento

Noticias do momento

07
Nov11

Consumidores domésticos vão poder escolher o fornecedor de energia em 2013

adm

 

Estas alterações poderão trazer algumas vantagens aos consumidores de eletricidade, já que estes passarão a ter um maior poder negocial, no entanto ficarão sujeitos às flutuações do mercado, podendo pagar mais ou menos consoante o custo da energia nos mercados internacionais, como já acontece no gás natural, refere o jornal i.

À semelhança deste setor, haverá maiores oscilações do preço ao longo do ano, quer para mais, quer para menos, dependendo da conjuntura internacional, dado que Portugal ainda depende muito do exterior a área da eletricidade.

No entanto ainda não se sabe se as taxas que atualmente são incluídas na fatura de eletricidade da EDP continuarão a fazer parte das futuras contas enviadas aos consumidores domésticos ou se passarão a ser cobradas de outra forma.

Segundo o jornal i, a liberalização deste mercado não significa, contudo, que o preço da eletricidade vá descer de imediato, até porque os preços praticados pela EDP não refletem a realidade do mercado. São preços regulados pelo governo sob proposta da ERSE, a entidade reguladora do setor, que não refletem as variações dos elementos que compõem o preço da energia elétrica, como o custo dos combustíveis e os subsídios concedidos pelo estado às energia renováveis.

Caso o consumidor doméstico decida trocar de fornecedor, a mudança de contador de luz será gratuita e não ultrapassa, em média, os dez dias de espera. No entanto, a troca de fornecedor de energia não obriga a esta alteração nem a de qualquer outro aparelho.

No caso da escolha de outra empresa há que ter em conta ainda a eficiência energética das casas, uma escolha mais rigorosa de eletrodomésticos e uma escolha cuidada do tarifário bem como as formas de pagamento mais favoráveis.

A liberalização do mercado da energia elétrica para os consumidores domésticos já deveria ter entrado em vigor em 2007 mas o governo optou por liberalizar apenas o consumo para as grandes empresas.

fonte:http://noticias.sapo.pt/n

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D