Seguro diz que ficou "em estado de choque" quando viu o orçamento

O secretário-geral do PS admite em entrevista ao Expresso que inicialmente queria votar a favor do Orçamento do Estado (OE) para 2012, mas quando viu a proposta  disse ter ficado "em estado de choque" e decidiu abster-se.

"Eu queria votar a favor do OE. Considero que a responsabilidade do PS era votar a favor, pela situação excecional em que vivemos, pelo facto de este ser o primeiro orçamento que decorre do compromisso que o PS negociou com a troika. Mas quando vi a proposta em concreto fiquei em estado de choque e disse não", justifica António José Seguro.

O líder do PS adianta que na base deste Orçamento do Estado estão quatro mil milhões a mais, a que o Governo chama "desvio", um valor que diz discordar.

Sobre a decisão do PS se abster na votação do OE, António José Seguro explica que, se estivesse em causa exclusivamente o Orçamento do Estado, a sua proposta era que o partido votasse contra.

"Mas o que está em causa é a viabilização da continuação de Portugal na zona euro e a garantia de que continuará a receber os 78 mil milhões de euros que pediu e que o próprio PS negociou", sustenta na entrevista.

António José Seguro diz que distingue o conteúdo do OE do "sinal político que um partido responsável deve dar": "O sinal político da abstenção é para defender Portugal. Este não é o meu OE, mas Portugal é o meu país e eu não volto as costas a Portugal", salienta.

Sublinha ainda que esta é "uma situação de emergência", afirmando que "só quem desconhece a situação" em que Portugal está - dependente de avaliações trimestrais para receber o cheque - "não percebe a importância de haver um grande consenso político.

António José Seguro ressalva que o voto dos socialistas não é necessário para viabilizar o OE, mas afirma que "se não houvesse maioria absoluta", votaria a favor de qualquer Orçamento do Estado.

fonte:_http://www.dinheirovivo.pt/

publicado por adm às 22:04 | comentar | favorito
tags: