Economia paralela vai aumentar com a crise

A economia paralela vai aumentar com o aprofundamento da crise em Portugal, concordaram hoje especialistas em assuntos fiscais.

"A economia paralela vai subir muito", considerou o fiscalista Tiago Caiado Guerreiro ressalvando, no entanto, que Portugal tem actualmente uma economia informal ao mesmo nível dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

"A economia paralela em Portugal não está muito acima da média, embora nos próximos anos deva disparar", afirmou.

Para António Carlos Santos, antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e especialista em direito económico e questões fiscais, "grande parte da economia paralela está escondida no artigo 53.º do IVA", que discrimina as isenções.

"Há 500 a 600 mil contribuintes neste regime de isenção. Se pensarem em quem lá está, vão encontrar desde construtores civis a consultores fiscais", disse Carlos Santos, que recordou ainda que há uma "grande evasão fiscal na restauração".

Para Jaime Esteves, 'partner' da PricewaterhouseCoopers (PwC), a economia informal também deverá aumentar nos próximos anos, sobretudo nas unidades económicas mais pequenas", em que esta "se fortifica melhor".

De acordo com a OCDE, a economia informal representa em Portugal cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB).

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 22:13 | comentar | favorito
tags: