Corte no subsídio de férias e Natal atinge mais de três milhões de pessoas

Mais de 550 mil trabalhadores do Estado e cerca de 2,5 milhões de pensionistas serão afectados pela medida.

Mais de três milhões de pessoas serão afectadas pela suspensão dos subsídios de férias e de Natal, apurou o Diário Económico. A medida, que irá vigorar nos próximos dois anos, irá atingir, no mínimo, cerca de 550 mil trabalhadores da administração central, incluindo o sector empresarial do Estado, e perto de 2,5 milhões de pensionistas. E ainda faltam contabilizar os trabalhadores das autarquias.

O OE/12 prevê a eliminação dos subsídios de férias e de Natal para os funcionários públicos, incluindo o sector empresarial, e para todos os pensionistas que ganhem mais de mil euros brutos. Mas para quem tem um rendimento entre 485 euros e os mil euros, será aplicada uma taxa progressiva.

Segundo apurou o Diário Económico, na administração central do Estado apenas dez mil trabalhadores, que recebem até ao salário mínimo (485 mil euros), não serão afectados pela medida. Já perto de 200 mil auferem entre 485 euros e os mil euros, pelo que irão sofrer um corte por via da aplicação da taxa progressiva. Por exemplo, um trabalhador do Estado com um ordenado de 705 euros brutos terá uma redução em cada subsídio da ordem dos 60%.

Mas a maioria de funcionários afectada pela medida situa-se no patamar mais elevado, ou seja, são cerca de 350 mil os trabalhadores que ganham acima de mil euros e que vão ficar sem direito aos dois subsídios por inteiro.

fonte:http://economico.sapo.pt/

publicado por adm às 08:23 | comentar | favorito
tags: