Subsídios de desemprego e maternidade não pagam IRS

Afinal a maioria das prestações sociais, como o subsídio de desemprego, de doença ou de maternidade, estarão isentas de tributação em sede de IRS no ano que vem, ao contrário do que tinha sido inicialmente acordado com a troika, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro.

Pedro Passos Coelho, que fazia um comunicado ao país depois do Conselho de Ministros em que foi aprovado o Orçamento do Estado para 2012, disse ainda que as Instituições Públicas de Solidariedade Social (IPSS) serão protegidas do agravamento fiscal.

«Ao contrário do que estava previsto no Programa de Assistência, acautelaremos a fiscalidade das Instituições Públicas de Solidariedade Social e isentaremos de tributação em sede de IRS a maioria das prestações sociais, como, por exemplo, o subsídio de desemprego, de doença ou de maternidade», disse.

O primeiro-ministro anunciou ainda a limitação da taxa intermédia do IVA a bens cruciais e o corte dos subsídios de férias e de Natal para os funcionários públicos e pensionistas, e o aumento do horário de trabalho diário em 30 minutos.

Medidas necessárias porque o buraco das contas públicas está, afinal, acima dos 3 mil milhões de euros. No fim, admitiu que nunca pensou ter de tomar medidas tão severas.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

publicado por adm às 23:40 | comentar | favorito